PUB

Capa do jornal "Bombeiros de Portugal"

Director: Rui Rama da Silva

domingo,

22/10/2017

19:54

VALBOM

Bombeiros com missão ampliada

15/03/2016 11:56:15

VAL2.jpgA Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Valbom, há já alguns anos que complementa a proteção e o socorro com a intervenção social, missão assumida em parceria com a Câmara Municipal do Gondomar mas envolvendo outras instituições locais, que tem permitido apoiar, orientar, mas, também, garantir uma resposta diferenciada aos mais desprotegidos, atormentados pela doença, a fome, a solidão ou pela falta de um teto condigno.

 

Sofia Ribeiro (texto)

Marques Valentim (fotos)

 

VAL4.jpg

“Esta é uma instituição estável, tanto a nível financeiro como administrativo” palavras de José Gonçalves Oliveira, o presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Valbom, que, desta forma, dá a conhecer um projeto consolidado e multifacetado, como uma forte componente de apoio social à comunidade, sem esquecer os homens e as mulheres que servem a causa.

O dirigente conta que nos últimos tempos, no âmbito de parcerias com Centro de Emprego e Formação Profissional, a associação retirou do desemprego sete bombeiros voluntários, reintegrando-os na vida ativa, o que permitiu não só valorizar estas pessoas, como reforçar o quadro de recursos humanos da associação, agora com 28 funcionários, com ganhos para serviço prestado à comunidade.

VAL1.jpgNuma outra vertente, os Voluntários de Valbom assumem um papel ativo e interventivo na comunidade, sinalizando situações de pobreza, solidão, abandono, violência ou carências várias. Os casos são reportados aos serviços sociais da autarquia e resolvidos em articulação com as juntas de freguesias, instituições locais de solidariedade social e os serviços da Segurança Social. O comandante fala com orgulho desta missão, que mobiliza todo o corpo de bombeiros e já permitiu apoiar mais de uma dezena de pessoas.

A área de intervenção deste corpo de bombeiros compreende Valbom e parte das freguesias de Jovim e Foz do Sousa e ainda Lomba, uma espécie de “enclave” situado a 40 quilómetros do quartel e a outros tantos das duas unidades hospitalares de referência, uma realidade territorial que constitui um desafio para os cerca de 80 operacionais, comprometidos com a excelência o serviço prestado a cerca de 30 mil habitantes.

O comandante dá conta de um território onde o risco de incêndio florestal de densas áreas verdes de “morfologia agreste”, impõe elevados níveis de prontidão. José Alves fala ainda da perigosidade das acanhadas áreas urbanas mais antigas, bem das pequenas indústrias familiares disseminadas e a laborar sem qualquer controlo, a que junta a exposição a cheias e inundações de uma área com muitas linhas de água. O intenso tráfego, incluindo transporte matérias perigosas, tanto na A41 como na nacional 108, também colocam em alerta permanente o quartel de Valbom.

VAL6.jpgTambém a emergência pré-hospitalar dá muito trabalho aos Voluntários de Valbom que, para que nada falhe na resposta às vítimas, optaram por operar com “duas equipas, todos os dias das 7 às 23 horas”, como assinala o presidente.

Esta ânsia em servir cada vez mais e melhor, merece o reconhecimento da Câmara Municipal de Gondomar, que “tudo tem feito pelos cinco corpos de bombeiros do concelho, para que nada lhes falte”, como faz questão de salientar José Gonçalves Oliveira, para depois arrasar a lei de financiamento do setor, considerando não ser possível exigir tanto das associações quando, na verdade “pagam tão pouco”.

Acérrimo defensor da causa o dirigente, fala de injustiças e dispara certeiro em todas as direções, não poupa a tutela, censura os “modus operandi” do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), exige os incentivos para captar e fixar bombeiros, e não esconde revolta pelo facto das “associações terem que pagar para prestar voluntariamente um serviço”. Conclui afiançando que sem o apoio da autarquia dificilmente os Bombeiros de Valbom poderiam prestar um serviço de qualidade às populações.

O quartel inaugurado na década de 70 do século passado, tem recebido ao longo dos anos obras de adaptação e melhoramentos vários, para responder às crescentes exigências operacionais. Ainda assim, o comandante fala da necessidade de requalificar e ampliar vestiários e camaratas, tendo em conta o aumento do número de mulheres no efetivo.

No conjunto de meios colocados à disposição desta área do concelho de Gondomar, o comandante identifica como única lacuna um Veículo Ligeiro de Combate a Incêndios (VLCI), para dar resposta a eventuais ocorrências nos núcleos urbanos mais antigos “onde um veículo urbano não entra”.

A formação é um “tema” recorrente, quase uma rotina para os operacionais de Valbom que, nos últimos anos, “têm aproveitado toda a oferta da Escola Nacional de Bombeiros”, para além de outras ações “mais especializadas”, nomeadamente na vertente de estruturas colapsadas, tendo em vista a criação de uma equipa especial, ainda este ano. O quartel dispõe ainda de uma brigada para socorro no rio Douro, que assegura uma reposta que os operadores turísticos teimam em descurar.

VAL6.jpgO maior património desta instituição será, certamente, o voluntariado que ainda assegura todos os serviços noturnos e os fins de semana, “sempre com piquetes de 10 ou 12 bombeiros”, algo de invulgar nos dias que correm, quando a disponibilidade é cada vez menor. Comando e direção consideram “inexplicável” a entrega e dedicação destes homens e mulheres, ainda que reconheçam a instituição se esforça por valorizar os bombeiros, mas também por lhes dar condições de trabalho e de conforto, para que na realidade possam sentir-se em casa.

Assim sendo, a “crise do voluntariado” ainda não bateu a esta porta, também porque comando e direção não desmobilizam na sensibilização dos mais novos para a causa, o trabalho nas escolas, a divulgação nas redes sociais têm permitido assegurar reforços, bem como a escola de infantes e cadetes. Uma nova recruta está a decorrer e é natural satisfação que José Alves anuncia que, em breve, o corpo de bombeiros poderá dar as boas vindas a mais uma dezena de operacionais.

Trabalho, espírito de missão e ambição guiam esta coesa equipa, que norteada por valores como a solidariedade consegue superar-se todos os dias, fazer mais do que o possível em prol da comunidade que serve. Fundada a 3 de outubro de 1927, a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Valbom não se acomoda ao estatuto da antiguidade, prefere antes alinhar pela modernidade.

VAL5.jpg

PUB