PUB

Capa do jornal "Bombeiros de Portugal"

Director: Rui Rama da Silva

terça-feira,

12/12/2017

12:17

Filho de bombeiro… bombeiro será

24/02/2017 11:45:25


A “tradição” já não é o que era, ainda assim, nos quartéis de bombeiros de todo o País ainda vai vigorando uma espécie de linhagem de soldados da paz, homens e mulheres que recebem um testemunho familiar que fazem questão de honrar.

jornalbp.jpgOs tempos mudaram e se no passado era fácil recrutar voluntários para a causa, hoje a missão é mais espinhosa, falta disponibilidade aos mais jovens para cumprir, a troco de muito pouco, uma missão a todos os níveis exigente, muitas vezes incompatível com o percurso profissional ou plano familiar.

Ainda assim, nas escolinhas de infantes e cadetes, nas bandas ou nas fanfarras continuam a fervilhar as vontades dos mais novos, voluntários de palmo e meio determinados a trilhar o caminho e a cumprir os sonhos de um dia envergarem uma farda “a sério”, subirem a um carro de fogo ou tripularem uma ambulância de socorro, entre eles o filho do comandante, a filha do chefe, o neto do bravo bombeiro honorário, mas também um sobrinho, um primo ou um afilhado tocado pela paixão ou pelo exemplo de alguém que lhe é próximo.

Quando nos referimos à grande família dos bombeiros, não recorremos somente a um sinónimo afetuoso, traduzimos, antes, a realidade de muitas instituições alicerçada numa espécie de sucessão natural.

Curiosamente, muitos são os pais bombeiros que se penitenciam pelo tempo que não deram à prole, pelas noites e dias longe do lar, pelas ausências em momentos importantes, contudo são também muitos os filhos que, mesmo conhecendo todos os “contras”, não hesitam em se afirmar “pró” causa, em honrar a “genética”, o percurso e o bom nome da família.

Dirigentes e bombeiros clamam por medidas que permitam fixar operacionais nos quartéis, atrair os mais jovens para a missão maior de salvar vidas, tentando assim assegurar um futuro que marcado pela incerteza, contudo, algo parece claro:  esta causa terá sempre seguidores, voluntários herdeiros de uma paixão familiar que nem as muitas adversidades, a falta de incentivos e apoios fazem esmorecer.

 

Sofia Ribeiro

 

PUB